domingo, 18 de novembro de 2018

DESATENTO OLHAR


Eu como sempre na minha falta de observância, pressas ao ver e imaginar, pensei numa jovem mulher aprendendo a beijar nessa tela do Hennessy.. 
Quem de nós não começou assim, beijando a própria mão, o espelho,a parede, o Zezinho, moleque mais feio que ocapeta, da vizinhança? Não sabíamos ainda que a própria emoção do beijo nos revela os caminhos da boca. 
Porém, logo brigo comigo mesma - Não aprende nunca? Já não jurou que prestaria atenção a cada detalhe da vida? . Só descobrir que Maria pintou os cabelos se for de azul não vale. 
Tanto para dizer que, pelo jeito, a tela é luto. O vestido preto, o retrato do militar amado, morto provavelmente na guerra, talvez a Primeira Mundial, as flores, o círculo com uma cruz e a palavra ‘brave’ …
Pronto. Por esse outro destino também escreve-se uma história, talvez até melhor. 
William John Hennessy - 1839/1917 - USA
Terê Oliva

quinta-feira, 1 de novembro de 2018

CANÇÃOZINHA BOBA PARA UM JOVEM AMOR



Se você olhar para mim
Não olhe assim
Não me faça supor
Que esse vento, esse mar
São só de nós dois
E o vôo que alça o meu coração é amor.

Se você sorrir para mim
Não sorria assim
Com esse jeito menino tão seu
Não me deixa esquecer
Que a razão tem razão
E não pode ser.

Se você tocar em mim
Não toque assim
Pois o calor do seu corpo
Contagia o meu
A febre vai consumir o motivo, intenção
E eu vou me perder.

Vou me perder na paixão
Enlouquecer
Entregar a Deus o destino
E correr atrás de você.

Tela de  Raimundo de Madrazo y Garreta -  (24 July 1841 - 15 September 1920) - Spanish painter - 'The Singer'-(1875).

Terê Oliva


quarta-feira, 31 de outubro de 2018

LÁPIS, PAPEL E PACIÊNCIA


Pai.... Paiiii. Vamos desenhar?
Tá legal, eu procuro os lápis. O sr. não esqueceu na sua prancheta no trabalho? Calma... Vou achar. Peraí.
Gilete? Pai, isso não existe mais. Tenho apontador, não serve? Que porcaria, nada. Aponta, não aponta? Tá bom, tenho um estilete por aí...
Tem HB, 4B. 6B e até um 8B. Quero esse! Não gosto de grafite clarinho, mal se vê. O 8B pode ser um carvão, mas eu prefiro. O sr. é o sr., eu sou eu. Depois vai pedir emprestado para sombrear, já estou até vendo...
Por que jogou fora? Estava bonito. Tava sim. Vou pegar mais papel. Papel vegetal? Pai, tás de sacanagem comigo kkk Sacanagem não é palavrão! Não é não.
Tenho folhas grandes, como o sr. gosta, e quadriculadas miudinho, quer? É...não é branco, é pastel. Cor-de-rosa? Não, é pastel. Claro que eu enxergo bem, o sr. é que é implicante.
Tenho lápis de cor sim. Não, claro que não são importados, comprei na papelaria ali da esquina. Nanquim? Não tenho nem caneta tinteiro. Régua T? Tem uma de plástico, 30 cm. Vou buscar. Esquadros? Não tem. Compasso? Praquê? Borracha tem aos montes, e das boas, macias e brancas.
Iluminura? Não acredito. Esses cavalos e flores são para uma iluminura? Que mania de cavalo. Melhor borboletas, abelhas, pássaros, até cervos, vá lá, mas cavalos...
O café não está fresco, é de manhã, garrafa térmica. Depois faço, agora tô com preguiça. Daqui a pouco faço. Daqui a pouco. Logo. Logo.
Tá bom agora? Já abri as cortinas e acendi a luz, mais não posso fazer. Entardecer é assim mesmo, lusco-fusco. Quando a noite cair de vez, melhora.
Oh pai, tu tá muito chato. 

Desisto. Vou ler um livro.
Tela de Henri Fantin Latour - (14 January 1836 – 25 August 1904) was a French painter .
Terê Oliva

NINHO MORENO


Vem cá, vem morena
De olhos miúdos a me assustar
Faz cafuné, deitados na rede
Que vento levado vem balançar.

Não briga comigo
Seu amor não merece
Esse olhar de zanga seu
Deixa eu, menino, em seu colo esquecer
Toda lida que a vida me deu.

Vem cá, vem morena
Outro amor juro que não há
Não como o seu...
Quero ser passarinho
Seus cabelos o ninho
Para me esconder

Da dura labuta, das pedras, do chão
Da briga pelo pão prá todos comer

Tela de Louis Aston Knight -  (1873–1948) was a French-born American artist.
"A Summer Evening Beaumont"

Terê Oliva

quinta-feira, 18 de outubro de 2018

O PÓ DE DOMINGO


Como o pó há dias espalha-se incólume por onde quer que olhe, muni-me de panos e paciência para livrar-me dele e do incômodo que tal me dá.
Limpa aqui, limpa acolá...
Quase espirro mas persevero.
Nessa sofreguidão sem sentido abro gavetas esquecidas, aquelas que quase nunca se abre, por não haver nada útil dentro na rotina dos usos.
Logo assim encontro o Tarô de Marseille que mal lembrava possuir, e ler, durante uma fase pseudoesotérica em que mergulhei, por motivos tantos que não cabe aqui contar.
Minha cabeça analítica, até mesmo fálica ao observar as coisas todas, endoideceu ao cheirar incensos, ao viajar nas luzes dos cristais.
Como loucura muitas vezes é como dor de dente, dá e passa, assim também comigo se deu.
Porém o Tarô, cada arcano uma obra de arte a se admitar e pensar, guardei.
Guardei num saco preto como foi-me ensinado a fazer.
No escuro ele permanece por anos, e cabe a mim decidir agora trazê-lo à luz ou não.
Como ele conversa comigo e bem entendo o recado que sussurra aos meus ouvidos, talvez me poupe de abri-lo.
Não temo a Morte, mas o Enforcado.
Não temo a Lua, mas a Papisa.
Sem muito oscilar, entre o pó e meu destino, escolho o pó
Que é mais fácil de limpar.


Tela de Elin Danielson Gambogi - 1861/1919 - Finlândia.
Terê Oliva

 · 



sábado, 6 de outubro de 2018

GRATIDÃO


Há um mistério na gratidão que vai além de si mesma
Se é comum a todos e cada qual o decifra à sua maneira é impossível saber.
Um sentimento raro, que corre ligeiro e atrás da primeira árvore se esconde
Antes mesmo de se contar até 10
Na celeridade da vida mal tem tempo de respirar.
Sem o viço da alegria, os batimentos cardíacos dos romances
A gratidão em sua quietude, muitas vezes, atravessa os espíritos despercebida.

Em mim provoca uma emoção delicada, um bem-querer sem alardes
Àqueles que me amaram sem o meu consentimento
Amor espontâneo, e por tal, mais precioso que outros tantos
Que se foram aos ventos sem deixar marca.

Um sorriso involuntário, que só percebo quando o desfaço
Sempre surge ante a lembrança das pessoas que através de suas dádivas
Suavizaram meus passos
Se não agradeço, nem lhes conto dos meus carinhos, não julguem por esquecimento
É apenas meu sem jeito ao lidar com esse tanto
Timidez que lá dentro de mim carrego sem que ninguém lhe saiba o peso.

'Flower Makers' (1896) - Samuel Melton Fisher - 1859/1939
Pintor Britânico.
Terê Oliva
http://tereoliva.blogspot.com.br





quarta-feira, 12 de setembro de 2018

TRISTE ENCONTRO

 

Quem tem mania de escrever não precisa de motivo, sai escrevendo onde possível for, para ninguém ler Alguém precisa fazê-lo? O prazer da leitura ao réles escrevinhador retorna e a si mesmo basta.
O único mistério que se revela insondável desses rompantes é o encontro com velhos papéis, quando a sua letra corre por linhas e mais linhas e a dúvida surge. Eu escrevi ? Copiei? De quem? Está tão bonito... Essa angústia tem jeito do Pessoa, essa leveza do Quintana, essa quase prece da Adélia Prado.
Esse texto deve ser meu. Está bom demais, não deve ser. Mas você não deixaria no papel sem autor. Logo você? Duvido. Mesmo que fosse um anônimo registraria seu anonimato. Por que não? Achou bonito, sem dono, copiou e guardou. Feliz ou infelizmente reencontrou.
Danou-se... Se for meu, perdi.
Porém há queridas descobertas, apesar de tristes, muito tristes, como a escrita a lápis na primeira página arrancada de um livro que só agora, após tantos anos dentro de um caderno encontrei.
* Comprado em um jornaleiro da Praça Saens Pena pelo preço de um real - 4 pães ou meio maço de cigarros - num dia de plantão no Hospital Gaffree Guinle, onde meu pai está morrendo. (Dez/2004).

Edmund Blair Leighton (1853-1922)
Terê Oliva

segunda-feira, 13 de agosto de 2018

PAI

PAI

Meu pai era leve feito passarinho, como tal, voou para longe sem deixar rastro de tristeza, só girou a cabeça, escolheu novo jardim e foi-se. 
Tento, muitas vezes, capturá-lo entre as linhas de grafite dos seus desenhos, no eco de suas gargalhadas, nas paredes do seu bom-humor de sol a sol, na lembrança de suas mãos grandes e desajeitadas ao limpar camarões para o almoço de domingo. 
Tudo vão, tudo inútil. Não é aí que ele está. Não totalmente.
Como também não está nos filmes que assisto e desejo compartilhar com ele, amante do cinema desde molecote, Olivia de Havilland sua musa. Olivia e minha mãe, sua Linda. 

Difícil encontrar essas nuances de amor na rotina dos destinos, amor que mais dá que exige, que mais cresce que míngua ao passar do tempo.
Assim também se deu comigo. Se ensinou-me os algarismos romanos, a ver as horas num grande relógio de papelão que criou com ponteiros em art deco, a decorar a tabuada, 
 as capitais do mundo e coletivos de bichos diversos, a andar de bicicleta, a pescar... não é ainda aí que ele está.
Só o encontro muito depois, sentado à mesa da cozinha, esperando-me para rirmos da vida. Nada de política, de jornais sangrentos, de fome mundo afora. A realidade guardávamos para outra gente.
Ali era o nosso botequim, café ou cerveja, cigarros, só meus já que ele abdicara dos seus cinco maços diários há muito, tira-gostos que ele sempre descobria em latas de data quase vencida nos armários da cozinha. Quando nada dava certo fritávamos batatas ou cozíamos ovos.
Se ríamos muito e provocávamos ciúmes em minha mãe que não entendia o porquê de tanta alegria, paciência...
É nesse cenário que encontro e reencontro meu pai.
É aí, para mim, que ele sempre está.


Terê Oliva

domingo, 17 de junho de 2018

NEM SEMPRE É JOÃO E MARIA



O amor, ave sem rumo marcado
Gaivota que atravessa o ar sobre o mar dos destinos
Voa livre em busca de pouso, areia ou pedra
Barco de pescador, vela de caravela
Leito de espuma.
Com sorte desse território se apodera
Nele é bem-vindo.

Na alma do outro repousa 
Abraça e dela não arreda pé
Porque pés amor de verdade não precisa
Basta olho no silêncio do encontro
Sem face, sem gênero, sem cor.
Se a muitos estranheza causa
A outros tantos mais amor suscita.

Nem sempre é João e Maria
Nem sempre é Maria e José
Às vezes é José e João
Às vezes é Maria e Maria.

Minúcias que no todo amoroso se perde
Dissolvem-se como gotas de chuva ligeira
Entre as tiras de um arco-íris
Para que o amor seja realmente o que parece ser 
E não haja nada a compreender.

Tela de Ramón Gutiérrez (1966) - Pintor espanhol contemporâneo.
Terê Oliva
http://tereoliva.blogspot.com.br

quinta-feira, 3 de maio de 2018

NOS MOSTEIROS DO FUTURO


Imagino, nesse voar por aí que me dá, sempre ao virar a última página de um livro e fechá-lo com essa sensação de adeus numa estação de trem, se daqui a vinte anos alguém o comprará em um sebo no centro da cidade.
Não há onde, ou como, ou quem guardar tantos livros meus nos modernos poucos metros quadrados do lar doce lar de cada um. Às vezes nem eu.
Quando me for sem volta, meus livros surrados sairão do caminho da minha gente. Creio que serão encaixotados com carinho para o destino futuro, mas mesmo assim terão que partir. Talvez sejam doados para uma biblioteca pública, distribuídos para quem os quiser ler.
Não sei bem explicar minhas visões, mas sempre os imagino através da poeira  num sebo das históricas ruas da cidade. Loja de pai para filho para neto, com piso de azulejos rachados, estantes de madeira empenada, cheiros, fungos, espirros, sem água onde lavar as mãos imundas de pega esse, lê um trecho daquele, esse não porque tem dedicatória do escritor e deve ser caro, poesia ou ficção?
O avesso das modernas livrarias com direito a poltrona, ar condicionado e cafezinho. Conforto sem romantismo ou prazer de garimpo.
Nisso tudo penso ao olhar a capa do "Um Cântico para Leibowitz" - Walter Miller Jr. Coloco-o numa pilha de ofertas do meu sebo ilusório. Leve três pague dois.
Livro velho, bem baratinho, cultura de tostão.
Sabedoria de autor pensativo que se angustia e questiona o caminho da humanidade que se perdeu de si mesma, e sem ter mais para onde ir, escondeu-se na biblioteca de um mosteiro dos séculos futuros.
Bom livro. Pode comprar pois vale a pena ser lido. Aliás, ler sempre é uma boa decisão. Até as tolices, se nada ensinam, distraem, e se por nada disso, servem para discordar do escritor, se arrepender de tê-lo comprado, odiar o final, reclamar do preço e do tempo gasto.
Que mais direi a esse amigo desconhecido que correrá os olhos e as ideias pelas páginas que já percorri? 
É tarde, noite quase madrugada no calor de outono. Estou cansada.
Compra o livro que conto o resto amanhã.

Tela de Caspar David Friedrich - 1774/1840 - Pintor Alemão
"Mosteiro Ruína Eldena" - Óleo sobre tela.
Terê Oliva
http://tereoliva.blogspot.com