segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

LIVRO RABISCADO 1

  Oi, Inês. Dona Inês das Pedras lá do além mar. Amiga nova e intensa que me põe logo a pensar.
  Nem caminhei pelas primeiras páginas e já cá estou para discutir contigo. Soube que és amiga íntima do Fernando e, parece-me que, como ele, vais me despertar a magia do grafite e essa amizade corriqueira de mesa de bar, onde se bebe vinho -um bom tinto português, com certeza- e se aceita ou se discorda da filosofia amiga. 
   Falação e espírito purgando na líquida noite.
  Também creio nesse lúcifer, em letra minúscula por não merecer maiúscula, escondido nos tecidos de Deus.Se assim não fosse, não veríamos tantas bestas criadas a matar criancinhas e a fomentar o mal em sua pura essência.
  Mas Deus não explodiu na flor da solidão,ou criou o mal para companhia; por que solidão não explode em flor de luz. Ela é massuda e pesa, e Deus não se enredaria nessa armadilha de Si Mesmo.
  Ele se incendiou foi de amor. E amor é coisa assim....tão forte e quente que não se sabe expressar ou mais sentir, e se completa no sem fim dos detalhes para aperfeiçoar o já perfeito e pronto. 
  Quando o bastante não é bastante, se ama.
  E se primeiro nasceu a rosa ou a girafa pouco importa; mas da pétala veio o cheiro e da girafa o pescoço, e da rosa a tulipa e todas as flores .E a formiga, e a cobra; e a borboleta apenas se bordando asas nos seres rastejantes.  
 Num estalar de dedos, gritando o ainda distante Eureka, voaram pássaros entre águas e pedras. 
  Logo passeou Ele em espaços sem fim, criando no passo campos para pisar macio e brincar criança com sua aquarela colorida. 
  De uma gota escorrida sem cuidado fez-se o borrão, do borrão surgimos nós.
  Aí então Ele sorriu e descansou.


               Tela de Idovico Marchetti - (1853/ 1909)
                            Pintor Italiano

                               Teresinha Oliveira.

Nenhum comentário: