quinta-feira, 19 de setembro de 2013

AS ESTRELAS NO CASCO DA TARTARUGA


No íntimo da tarde fria as estrelas surgem lentamente
Sobre o casco de uma tartaruga velha , que por sábia, arrasta-se em seus vagares
Trazendo a noite que se assim não fosse, em hordas de solidão logo despencaria.
No jardim, entre as margaridas que desprezam os ruídos de sua existência
Ela para e me olha em suas pupilas opacas como se houvesse algo a dizer.
Talvez haja, talvez não.

As profundezas vazias do olhar dos bichos 
Contém enigmas de paz que a alma humana não decifra 
Muito menos a minha, perdida dentro do meu corpo findo
Que mal vê as agulhas do norte na ponta do próprio nariz.
Sentada em vime, na varanda permaneço a observá-la
Medindo seu passo e o tempo que ela sobreviverá a mim.

Tela de Jean Michel Bénier - 1949 - Pintor Francês.
Terê Oliva
http://tereoliva.blogspot.com.br

Um comentário:

Jason Jr. disse...

Observação e imagem linda minha querida. Como estas? :-)