quinta-feira, 3 de outubro de 2013

BORBOLETA RECÉM-NASCIDA



Em seu ócio requintado, sobre as colunas clássicas que sustentavam sua cela
Ela chorava rente à loucura.
Não com as lágrimas dóceis dos débeis, mas com uivos de animais feridos.
No silêncio escuro, a mulher parasita em seu tempo
Quando esquece seus versos preferidos, e dos poetas fogem-lhe os nomes
Quando todas as ideias brilhantes se revelam líquidas

Quando as pessoas arrogantes, que são inúteis, sentam-se nas cadeiras de vime que sua memória conserva.
O vazio que a circunda não tem asas, mas tem sons e ecos no bater das asas de uma recém-nascida borboleta
Que no cio do ar frio se esmaga contra o vidro da janela e rompe a manhã.
Um sentimento de naufrágio inunda de vez sua ansiedade pelo dia
A palidez do futuro para ela não tem mistérios.


Lynn Ann Sanguedolce - Pintora Americana Contemporânea.
Terê Oliva

http://tereoliva.blogspot.com.br 

 

Nenhum comentário: