domingo, 13 de outubro de 2013

REMORSO VISCOSO


  Ele tinha pés quentes, mas ninguém fica casada porque o sujeito com quem se dorme tem pés quentes. Apesar do inverno mais rigoroso e do bom sexo, almeja-se algo além dessas miudezas.
 Assim sendo, com os pensamentos girando na cabeça há tanto oca, ela ergue os olhos e o dedo, agitando-o despudoradamente na face daqueles que nada sabem mas deduzem às carreadas.
Nesse tempo de guerra com naus lançadas ao céu e mar, uma mulher ávida se pronuncia na sua nudez prisioneira. Nunca imaginara ela que sua pele possuía tantas filigranas de delícias e sabores.
Sozinha no quarto espesso, onde não está sozinha, está muitas, ao concluir ter vivido em vão fragmentos das suas lembranças a espetam como adagas.
Heroína do fracasso de seu próprio destino, que não tem mãos para tecer pontes sobre o abismo de si mesma, porém aniquila com destreza qualquer chance de cruzá-lo, ante seu avesso procura o fio do prazer. O prazer do prazer.
Errara. Errara feio ao abdicar do homem que talvez a pudesse amar.

Bonita em seus longos vestidos de noite trancara-se nos espelhos, e sob a carne guardara a mulher, a outra que era ou poderia ser.
A margem oposta de seu sorriso dissipa-se sob a máscara de boa moça, a que é, a que despreza sob os vestígios do batom cor de boca.
O vermelho não apenas a assustou, a aniquilou.
Para continuar a viver nesse remorso viscoso soltou a outra, uma das muitas trancafiadas, a que escreve o há muito guardado e nunca contado.
Essa não tem pudores porque não tem ossos nem sangue, seus músculos  papel, sua identidade grafite.
É tempestade e fogo. Fogo primal, onde as palavras se queimam sem deixar rastros.

Tela de Erik Olson - Pintor Canadense Contemporâneo.

Terê Oliva
htpp://tereoliva.blogspot.com.br

Nenhum comentário: