sábado, 26 de outubro de 2013

VITRAL DE UÍSQUE


Um raio de lua atravessa a garrafa de uísque e espalha cores de vitral no chão da mesa de mogno.
Sinto as cores e nelas descanso, pensando sem controle no passado esgotado.
Minha cara de bobo, pois todos que assim mergulham nos próprios abismos, ficam com cara de bobo
Desmancha-se quando num piscar volto ao real.
Bebo o uísque do copo num só gole e no guardanapo de linho
Rabisco um poema embriagado.

Tela de Irving R. Wiles - 1861/1948 - Pintor Americano.
Terê Oliva
http://tereoliva.blogspot.com.br

Um comentário:

andie ✡ disse...

, pensando sem controle no passado esgotado