domingo, 24 de fevereiro de 2013

MÃO QUEBRADA.

Tela de Moritz von Schwind - 1804/1871.
Pintor Austríaco.

Rachei o mármore, perdi a pedra
A face da escultura
Antes de viver, morreu.
Cortei-me nas lascas e o sangue desperdiçado
Pelo chão correu em fio
Entre a névoa maçante do verão.
Davi atravessa os séculos
Inclina a cabeça e me abre os braços.
-Amor de consolação-

Sento-me ao lado de Leonardo
De Modigliani, dos russos que amo
De Tissot, de Dalí.
Nem eles, em uníssona caridade, traçam em mim
A pincelada segura.
A luz se perde nas pétalas brancas
Da flor desistida.

Gentil ganso solta uma pena.
Tinta logo aparece
Geração espontânea em um lugar de tantas.
O verbo desliza pelo meu ombro, as palavras
Revelam com o ar da respiração funda que gira
Num redemoinho de espinhos, lembranças...
A música da carne nas veias do tempo.

Vãos e véus esvoaçam no céu inútil
Perdem-se em equatoriais linhas tortas
Que mal escrevem uma história.

"Drawing lesson in a ancient Rome"
Tela de Leon Fortunski - 1859/1895.
Pintor Eslovaco.

Terê Oliva.

Nenhum comentário: