terça-feira, 7 de junho de 2011

CELÚREAS VISÕES

Minha vontade goteja indecisão
Nem mesmo a imaginação mais me seduz.
Já pari, já plantei árvore que dá flor e fruto
Já escrevi tolices e talvez algo que valha.
Viajar quase não viajei por não gostar de trilho e ar
Água não me assusta
Mas dela abdiquei por estar quieta em meu lugar
E dele gostar, sem querer sair
Ver além do que já vi me enfada os olhos.
Amar gente nova talvez não possa
Pois o amor já gastei nas festas da vida.
Os que estão longe, nos dedos contados
Amo com esse amor de distância, que dói saudade 
Na ausência persiste e cresce, pois a ausência conserva
A sombra da palavra e do gesto que na memória se finca.
O gostar, mais intenso que o amar
Conjugo no desalinho do diário viver
Sem querer em cerúleas visões comemorar 
 O que em mim brota sem regra
Ou cuidado qualquer.


Tela de Cayetano De Arquer Buigas - Nasc.1932
Pintor Espanhol.

Teresinha Oliveira.


Nenhum comentário: