sexta-feira, 5 de abril de 2013

PÁLIDAS



Tela de Henri de Braekeleer - 1840/1888
Pintor Belga.


Empalidecem em mim as criaturas todas
Porque as miro de dentro da minha angústia

Dos meus olhares mais dispersos.
Não as conheço nem as quero conhecer
Porque as que me acercam já me bastam.
Transbordam dos meus cenários
Esparramam-se nas minhas veias como erva no mato
Com suas rizoides finíssimas me prendem e paralisam.
Essas outras não despertam minha curiosidade de ave
Que engole ar para lhe provar o sabor distinto
Dos céus que não existem.
Um sagrado instinto me move e mói
Na busca do que sou no que dolorosamente nunca fui.
Sina solitária de quem vive de guirlandas e poesia.
Tela de Vicenzo Irolli - 1860/1945
Pintor Italiano.


Terê Oliva

3 comentários:

Malu Silva disse...

Teresinha, acabei de publicar este teu poema muito belo lá em - http://semolharescriticos.blogspot.com

Os amigos vão adorar ler suas palavras por lá.
Grande abraço!!!

Malu Silva disse...

Mandei solicitação de amizade no face para si. Se desejar e aceite...

Patrícia Pinna disse...

Boa tarde, Terê. Estou encantada com suas poesias.
Li todas as que marquei na primeira página, e fiquei deslumbrada com o seu talento e linguagem que aproxima o leitor à sua escrita.
Parabéns!
Certamente eu voltarei.
Beijos na alma e fique na paz!