domingo, 3 de junho de 2012

PESADELO ERÓTICO.

O teto jorrava uma luz compacta
Dos fragmentos do teu olho azul metálico, lá mirante.
Esgueiravam-te atrás da cortina, sob a cama
Pelos guetos sonolentos do meu corpo nu.

Tal horda de sensações longilíneas
Tocavam nos enigmas do meu tesouro enterrado
Paixão perdida em uma dobra do tempo
Nos passos acidentais de um passado longínquo.

Segredando mais o desejo que o motivo
Um frisson de lógica reveste o sonho
De realidade assim julgado.

Porém, se te roem meus dentes de leite
Te mordo na permanência da lembrança inequívoca
Que não sacia a carne, mas povoa a cama.



Tela de Boris Mikhailovitch Kustodiev - (1878/1927)
Pintor Russo.

Terê Oliva.

Nenhum comentário: