segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

PIXAÇÃO.

Minha cabeça ocupada, sempre com tanto a pensar, não perde tempo em se   enredar nas 'desimportâncias' da vida. Porém, nem sempre consegue passar incólume e cega diante da imbecilidade humana.
Não quando algum pobre idiota, que tem a mãe perdida pelos bordéis da cidade, emporcalha as pedras do muro da minha casa para usar como espelho de seu próprio espírito oco.
Rabiscos que nada exprimem. 
Borrões que apenas conferem ao autor um atestado, assinado por toda a sociedade, da sua falta de educação e bom-senso.


Tela de Claude Verlinde - (24/Junho/1927)
Pintor Francês Contemporâneo.


Teresinha de Oliveira.





Nenhum comentário: