sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

COADOR DE POEMAS.

 Toda manhã é igual e simples
Cabeça sem sombras que o sol espantou.
Animados os membros se esticam
E as ideias surgem
Pontuadas em versos, nativos
Que comigo nasceram e carrego.
Plumas leves que nem sinto
Mas ao redor flutuam 
Ao viver a vida desse jeito meu
Devagarinho...
Diluo o poema no coador de café
Mas quando chego à xícara
Ele já me abandonou
.
Tela de Elizabeth Vaughan Okie Paxton - (1877/1971)
Pintora Americana.
.
Teresinha Oliveira.

Um comentário:

Ana SS disse...

O que é bom evapora.