quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

PROLIXA

      Gostaria de ser amiga das frases curtas, das palavras dissílabas, do pouco que tudo diz. Mas assim não sou. Amo as polissílabas, que de mãos dadas se esticam como tentáculos de polvo à procura de presas - minhas idéias - e vão narrando o que desejo dizer.
      Se me explico ou me perco nas escuras veredas de mim para o outro, realmente não sei. Mas só através da longitude me encontro escritora.

                                                      Teresinha Oliveira.

Um comentário:

Gabi disse...

As palavras não tem ordem.... elas simplesmente fluem...