sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

LEOA DE UNHA QUEBRADA.




     Se as estrelas do céu me regem, por que me forjaram fraca e de carne mole
     Como minha constelação destraça? 
  Por que  desvio dos algozes de outrora  
Abdico  da doce vingança  que saciaria meu hálito seco 
Desataria meu estômago em nó ? 

     Sou felina, filha do ópio
Nascida nas planícies sem solução de uma África branca.
Prefiro o conforto das almofadas e o pires de leite
Talhado, confesso, mas que a fome prudente sacia.
Vivo e gozo sozinha na maciez de uma frondosa tristeza 
Que em sua sombra acolhe o ser que do sol se esquiva 
Por temer o calor e a luz de novos desatinos.

      Finjo rugir, mas ronrono na surdina por desprezar o barulho das lutas. 
Me paralisa a violência e me estanca o sangue essas quinquilharias do viver.

                           
                                                   Tela de Michael Parkes
                                                             The Last Lion 

                                                        Teresinha Oliveira

                                                                     

                                                       



Um comentário: