quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

SAUDADE COM PERFUME DE CAMÉLIAS

  Nas ruas de verão vejo muitas camélias enfeitando vestidos, decotes e cabelos de mulheres floreiras que perseguem a moda das flores sem nunca terem regado uma. Provavelmente desconhecerem o nome das singelas camélias de tecido que levam a passear e devem confundi-la com sua irmã rosa, a preferida.
  Duas irmãs bem diferentes, mas igualmente lindas. Uma simples, sem alardes ao se mostrar, flor criança e faceira que parece correr descalça pela relva. A outra, exuberante, com astúcia feminina entorpece os sentidos do observador descuidado e dissimula seus espinhos como perigo menor.  Só o sangue nos dedos o livra de seu fascínio.
  As camélias são flores calmas, sem surpresas, que me recordam minha mãe  que hoje, nos campos do Senhor cultiva suas flores pelo amor escolhidas.
  Qualquer dia vou oferecer-lhe camélias. Colocá-las aos pés de um Anjo Mensageiro e torcer para que as receba. Com sorte, talvez assim perdoe meus impacientes desamores, um pouco só que seja.
  Ela tanto as admirava que casou-se com um virginal buquê de camélias brancas, e carregou-o consigo na lembrança através das décadas de um casamento feliz. Naturais, é claro, sempre afirmava, porque na época as camélias eram corriqueiras nos vasos dos floristas e nos canteiros das esquinas.
  Se jogou fora o buquê a murchar, ou o atirou às amigas solteiras para o destino revelar quem seria a próxima noiva, não sei. Nem sei se naquele  tempo de amor festivo já existiam esses sortilégios românticos.
  O final da história do buquê é desconhecido. Ela nunca contou e eu não perguntei. Agora é tarde para essa questão, como para tantas outras...
  Se eu vir uma estrela cadente, irmã distante das flores, eu peço, sem vergonha da tolice, que no limite do meu tempo cá nesse jardim de enganos, eu espante a solidão e o medo ao reencontrar minha mãe me esperando, com seu buquê de camélias brancas nas mãos.


Tela de Dmitri I. Kiplik - (1865/1942) - Pintor Russo.
Teresinha Oliveira - (Maio/2008)

2 comentários:

JasonJr. disse...

Que lindo, a rosa é vaidosa mas eu gosto das amarelas... ...mas as camélias devem ser muito mais graciosas pelo que a senhorita diz.
Abraço e bjão mocinha!

Ana Cecília disse...

Lágrimas furtivas por aqui tb...

Que belo texto. Mas não me preocuparia tanto com o destino do buquê de camélias... Ele cumpriu seu papel com louvor, e veja bem o quanto!, ainda hoje é lembrado.

Engrosso o coro do pedido à estrela cadente.