quinta-feira, 15 de setembro de 2011

LINDA VARRIDA.

Essa linda louca varrida mulher
Anda nua pela casa
A espantar vizinhos, a gente comum.
Dança alucinada
Bêbada e feliz
Ao som de qualquer música
Dos cantores da noite
De sinfonias, canções.

Essa louca linda mulher varrida
Se perde na escada
E da porta o quarto nunca encontra.
Vê borboletas onde vermes habitam
Flores brotarem de ervas daninhas
Fontes jorrarem de árido chão.
Lança aos céus gritos calados
Da boca lacrada pelo amor engolido.

Essa varrida linda louca mulher
Abraça a pegajosa madrugada
Com sua insône alegria
Em busca do que não sabe
Não quer e nem intui
Pelos cômodos rompendo
Esquinas e becos, doida sem bússola
A se perder em si. 


Tela de Jack Vettriano - (1951)
Pintor Inglês Contemporâneo.

Teresinha Oliveira.

3 comentários:

Maria disse...

LIndo poema. Todas nós gostariamos de em alguma parte da nossa vida termos sido "uma varrida, linda, e louca mulher".
Beijinhos
Maria

Andressa C. disse...

eu amo essa imagem.

Andressa C. disse...

gritos calados costumam ir pro inferno primeiro :P