domingo, 11 de setembro de 2011

OS GUARDIÕES

Trancafiamos os anjos e libertamos os demônios que vagam diante de nossos olhos.
Rasgamos os mapas que nos conduziriam a benfazejos caminhos, e deles nos desviamos.
Em nossa ignorância, adulamos gente hipócrita, que com sua tez de verniz nos arrebata
E nos imobiliza em camisas de força das quais  não conseguimos escapar.
Com chitata nos fere, e nos corteja com uma coroa quando tentamos o impossível, já assim sabido no início da ação.
.
Entretanto, todos temos um guardião às costas. Um guerreiro, uma criança, um velho sábio, um anjo manco. 
Cada um escolhe o seu e o lisonjeia.
Não vencem nossas lutas porém nos inspiram, armeiros de nossos desejos, centuriões de nossa vontade
Diluem seu hálito silencioso nos sucos de nossa consciência e aguardam
Ferozes como dragões nos defendem e o fogo magnífico que expiram à nossa volta cresta o solo.
 O calor à terra fecunda para brotar novo gérmen.
Nos devolvem a chave de um passado morto e insepulto.
Nos conduzem à porta que enfim o lacrará atrás das nuvens que já se dissiparam.
Em seus pergaminhos a sabedoria ensina a não assumir riscos incontroláveis, pois somente a própria força leva a uma luta justa
Contra àqueles de quem não podemos cortar as gargantas ou quebrar os ovos dentro das gônadas
Contra àqueles que nos enlouquecem e nos alçam aos píncaros de perversos desvarios.
.
Mas deles afinal, num momento imperceptível, nos libertaremos sólidos
Cada um, solitária unidade na lâmina da própria vida 
Se reencontrará livre, e talvez feliz.
.

Tela de Siegfried Zademack - Nasc.1952
Pintor Alemão Contemporâneo.

Terê Oliva
http://tereoliva.blogspot.com.br  



 

Nenhum comentário: