domingo, 11 de dezembro de 2011

A FORTUNA.


O sonho da fortuna persegue a humanidade e a agarra pelo pé; como o da beleza, o do amor eterno, o da felicidade sem nódoa.
Logo se vê ela presa na utopia sonhada e jamais cumprida.
Nessa armadilha enredados, nós, pobres e caricatos mortais, procuramos o Olimpo, a Fonte da Juventude, o Pote do Tesouro no fim do arco-íris. 
O Espelho Mágico que repete incessantemente sermos os mais belos, a Poção Alquímica que tudo transforma em ouro, mesmo ao pão, que no metal forjado nos matará de fome.
Admiramos e invejamos àqueles que se destacam entre bilhões, seja lá por qual motivo for; só a cada um de nós compete conhecer a frustração de sua vontade.
Que me perdoem os demagogos e mentirosos que nem a si mesmos contam a verdade... Inveja é inveja! Não possui cor nem extensão.
Difícil escapar dela, quando nosso desejo desfila ante nossos olhos em posse do outro, mas esse selo que nos aprisiona devemos romper, para não azedar a boca e corromper a prece. 
Se a juventude escorreu entre os dedos das horas, e deixou os sonhos lá trás sem tijolos e argamassa, a vida permanece na palma das mãos.
Nela podemos pintar telas com navios partindo, bailarinos dançando tango, amantes se beijando às margens do Sena, meninas correndo com cabelos soltos ao vento, e bancos, muitos bancos num jardim para sentar, e soltar aos céus 
pássaros de amor.


Tela de Marinus Van Reymerswaele - (1490/1546)
Pintor Holandês.

Teresinha Oliveira.   

Nenhum comentário: