terça-feira, 23 de agosto de 2011

ENTRE TANTOS FERNANDOS ESCOLHO O BERNARDO

,
221. " Tenho sido um sonhador irônico, cruel, infiel às promessas interiores.
Gozei sempre, como outro e estrangeiro, a derrota dos meus devaneios, assistente casual ao que pensei ser. Nunca dei crença àquilo em que acreditei. Enchi as mãos de areia, chamei-lhe ouro, e abri as mãos dela toda, escorrente. A frase para a única verdade. Com a frase dita estava tudo feito; o mais era a areia que sempre fora (...)

'O Livro do Desassossego'- Bernardo Soares- Fernando Pessoa.
Livro escrito entre 1913 e 1935.

Ah, como é bom sonhar e sabê-los sonhos, de éter e devaneio, sem compromisso de nada realizar.
Como acalma o espírito, da derrota virar refém e nela viver a antítese da vitória, e nessa antítese gozar o êxito.
Não por preguiça ou braços fracos, mas por descrédito do desejo.
Os modelos todos se revelaram frágeis, e nem esses pude seguir.
Não é cinismo aceitar o fracasso. É indiferença. 
Atirar a flecha mil vezes não leva a acertar o alvo que não se vê.

Tela de Ferdinand Hodler - (1853/1918)
Pintor Suíço.

Teresinha Oliveira / 2004.

Nenhum comentário: